O PT JOGA TUDO PARA LIVRAR LULA!
 

 

A JOGADA DO PT



Osmar José de Barros Ribeiro



12/06/2019



Pode ser que a minha opinião soe como absurda e injustificável.



No entanto, sabendo quem é o jornalista norte-americano quem é o seu "marido" (que anos atrás foi detido pelas autoridades inglesas quando contrabandeava um pen-drive com matéria sigilosa sobre os EUA e hoje é deputado pelo PSOL) o declarado interesse do PT em libertar Lula da prisão e o inconformismo da esquerda com a eleição de Bolsonaro, pode-se conjecturar que tudo faz parte de uma operação política a qual, por óbvio, deve contar com o apoio de pessoas da imprensa, do Legislativo, do Judiciário, de infiltrados no Executivo e outras, tudo objetivando a libertação do Lula e a consequente agitação que sobrevirá.



Nesse quadro, seria buscada a desmoralização do julgamento do ex-presidente que seria mostrado como sendo um jogo de cartas marcadas para afastá-lo da disputa política. Seu julgamento e condenação, em três instâncias judiciárias, estaria nesse quadro.



Como as tentativas de buscar apoio popular falharam, o PT e suas linhas auxiliares trataram de montar a operação em curso que busca:



- desmoralizar a Operação Lava Jato, mostrando Moro e os Procuradores da "República de Curitiba" como acusadores de um "inocente" e que, buscando sua condenação, não vacilaram em prejudica-lo de todas as formas. Para tanto, trataram de encontrar um hacker (muito certamente bem pago) com a finalidade de invadir os celulares do atual ministro da Justiça e dos Procuradores



- em seguida (talvez em combinação com o mesmo) encontraram um conhecido "jornalista" norte-americano, ligado à esquerda e amigo de Lula, para trombetear a "inominável maquinação" contra um líder popular e mundialmente conhecido



- a convocação de uma greve geral no dia 14, uma sexta-feira que, caso tenha êxito será apontada como sendo de apoio ao " Lula livre".



Esta é uma opinião pessoal e, como tal, sujeita a chuvas e trovoadas.



Creio que a operação petista dará, mais uma vez, com os burros na água. No entanto, por certo, ela prosseguirá e, dessa feita, no STF. Mais uma vez a população ordeira terá de voltar às ruas.