O QUE É CONSERVADORISMO?
 

 

O que é conservadorismo?



Por Lee Edwards



Outubro 22, 2018



É uma filosofia, não uma ideologia



O National Review Institute, liderado pela incansável Lindsay Craig, tem se empenhado em um projeto louvável nos últimos cinco anos, patrocinando um "exame rigoroso" de princípios conservadores para profissionais em meio de carreira que desejam uma compreensão mais profunda do conservadorismo. Liderando as discussões, ao longo de oito jantares-seminários estão conservadores como Victor Davis Hanson, Jonah Goldberg, Richard Brookhiser, Dan Mahoney e Kathryn Jean Lopez.



Tive o privilégio de dar o ponta pé inicial da série em Nova York, Washington, DC, Dallas, San Francisco e Filadélfia com um perfil do prolífico fundador da National Review, William F. Buckley Jr. Na seção de perguntas e respostas apresentadas duas perguntas são invariavelmente feitas por advogados, educadores, funcionários do governo, médicos, empresários e até mesmo pastores que participam dos seminários.



A primeira geralmente vem lá pelo meio da discussão: "Existe alguém na cena hoje que poderia ser o próximo Bill Buckley?" Eu me recuso a ficar preso a um nome, mas aponto para jovens oradores dinâmicos como Ben Shapiro e Matthew Continetti e editores perspicazes como Yuval Levin e Dan McCarthy. Quando pressionado, responderei que Bill Buckley era sui generis e é improvável que o veremos novamente. Mas, acrescento rapidamente, há um bom número de conservadores com menos de 40 anos, cujos talentos, somados, são iguais aos do homem que, mais do que ninguém, fez o moderno movimento conservador.



A segunda pergunta geralmente chega ao final do jantar: "O que é conservadorismo?" A maioria dos Fellows do NRI vive em um mundo esquerdista (liberal nos USA) hostil no qual eles são desafiados a justificar suas posições filosoficamente. Eles não buscam um tweet, mas uma explicação detalhada do conservadorismo sobre a qual eles podem basear seu apoio ou oposição aos assuntos urgentes do dia.



Minha resposta se baseia em quatro fontes:



(1) O Sharon Statement, elaborado por M. Stanton Evans e adotado por Young Americans for Freedom em sua reunião de fundação em setembro de 1960.



(2) The Conservative Mind, de Russell Kirk, que diz que a essência do conservadorismo está em seis cânones.



(3) The Conscience of a Conservative, baseado palestras de Barry Goldwater, sobre os dois lados do Homem: o material e o espiritual.



(4) Up Liberalism de Buckley.



Começo com os principais pontos do Sharon Statement, reconhecidos pelo The New York Times como um "documento seminal" do movimento conservador e aceito por muitos conservadores como a melhor breve declaração de ideais conservadores.



Nós, como jovens conservadores, acreditamos:



- O principal entre os valores transcendentes é o uso que o indivíduo faz do livre arbítrio dado por Deus, de onde deriva seu direito de estar livre das restrições da força arbitrária



- Que a liberdade é indivisível e que a liberdade política não pode existir por muito tempo sem liberdade econômica



- Que o objetivo do governo é proteger essas liberdades através da preservação da ordem interna, da provisão de defesa nacional e da administração da justiça



- Que a Constituição dos Estados Unidos é o melhor arranjo já concebido para capacitar o governo a cumprir seu papel adequado, ao mesmo tempo em que o restringe da concentração e do abuso de poder



- Que a economia de mercado, alocando recursos pelo livre jogo da oferta e demanda, é o único sistema econômico compatível com as exigências de liberdade pessoal e governo constitucional e que, ao mesmo tempo, é o meio mais produtivo de satisfazer as necessidades humanas



- Que a política externa americana deve ser julgada por este critério: atende aos interesses dos Estados Unidos?



Eu então apresento meu resumo dos seis cânones conservadores de Kirk:



(1) Uma intenção divina, assim como a consciência pessoal, governa a sociedade.



(2) A vida tradicional é cheia de variedade e mistério, enquanto a maioria dos sistemas radicais é caracterizada por uma estreita conformidade.



(3) A sociedade civilizada requer ordem e hierarquia.



(4) Propriedade e liberdade estão inseparavelmente conectadas.



(5) O homem deve controlar sua vontade e seu apetite, sabendo que ele é governado mais pela emoção do que pela razão.



(6) A sociedade deve mudar, mas devagar.



Em seguida, passo para Barry Goldwater, que com L. Brent Bozell escreveu The Conscience of a Conservative. Goldwater foi o primeiro candidato à presidência a fazer campanha como um fusionista, baseando-se em cepas tradicionais e libertárias de pensamento conservador para suas políticas e posições. Os conservadores levam em consideração o homem por inteiro, escreve Goldwater, tanto material quanto espiritual. Enquanto esquerdistas (liberais) tendem a olhar apenas para o lado material da natureza do homem, o conservadorismo olha para o aprimoramento da natureza espiritual do homem como a principal preocupação da filosofia política.



Com essa visão da natureza do homem, diz Goldwater, é compreensível que "o conservador considere a política como a arte de alcançar para os indivíduos a máxima liberdade que seja consistente com a manutenção da ordem social".



O conservador é o primeiro a entender que "a prática da liberdade requer o estabelecimento da ordem". É impossível que um homem seja livre se outro for capaz de negar-lhe o exercício de sua liberdade.



Mas o conservador também reconhece que o poder político sobre o qual a ordem se baseia é uma força de autopromoção que seu apetite cresce a cada mamada (feeding). "Ele sabe", diz Goldwater, "que a maior vigilância e cuidado são necessários para manter o poder político dentro de seus limites".



Comentários



Termino minha definição de conservadorismo com um excerto de Up Liberalism, de Buckley, no qual ele enaltece a alternativa conservadora baseada na "liberdade, na individualidade, no senso de comunidade, na santidade da família, na supremacia da consciência, na visão espiritual da vida". Com apenas estas palavras, Buckley fornece um resumo claro dos princípios fundamentais do conservadorismo.



O conservadorismo é uma filosofia, não uma ideologia. É a sabedoria coletiva de conservadores como Evans, Kirk, Goldwater, Buckley e Abraham Lincoln, que quando perguntados sobre o que o conservadorismo é, respondem, "não é a adesão ao velho e experimentado, contra o novo e o não testado?"



O Conservadorismo ergue-se da rocha sólida da Fundação Americana e da civilização ocidental. Seu princípio primordial é "liberdade ordenada", que o NRI e conservadores em todos os lugares estão determinados a preservar e proteger para esta geração e gerações futuras. Tenho orgulho de fazer parte deste nobre projeto e espero que você também se junte a mim e à NRI como parte disso.



Tradução: Heitor De Paola


 

 
Lee Edwards é um ilustre colega sobre pensamento conservador da Heritage Foundation. É um dos principais historiadores do conservadorismo Americano e autor ou editor de 25 livros.