CONSTITUTION 2020: COMPLÔ PARA DESTRUIR A CONSTITUIÇÃO AMERICANA?
 

 

 A questão silenciosa para 2016: a Constituição morrerá literalmente?

Por Wes Vernon


05 de janeiro de 2016

Embora 2016 seja o ano em que escolheremos nosso próximo presidente, os americanos também têm boas razões para abordar evento tão importante com outro ano em mente ... 2020.

Por quê? Porque esse é o ano em que a própria existência da nossa nação poderá muito bem ser decidida – possivelmente sob qualquer outra forma além de seu nome, de acordo com os planos que agora com cuidado e em silêncio estão sendo realizados.

Think The Constitution 2020 (Pense na Constituição de 2020), um encontro real planejado por um Quem é Quem das elites intelectuais de orientação esquerdista, que aparentemente teimam em descartar reivindicações insinceras de honrar qualquer Constituição "viva, e que respire", enquanto chegam perto para dizer em tantas palavras – Vamos  apenas jogar no  lixo a coisa toda e começar tudo de novo e vamos "revisá-la" ou "alterá-la" em 2020.

Se você quiser saber por que você pode não ter ouvido falar sobre isso antes, considere o fato de que a mídia, para dizer o mínimo, não nos fornece exatamente  manchetes gritantes sobre os planos de um evento de tão grande mudança da nação. Então, aqui estão os fatos julgue por si mesmo:

Matando a Constituição?

Há um plano real, financiado por dinheiro real para levar a uma convenção real para "alterar" a primeira e única Constituição destes Estados Unidos da América. Não é nenhuma invenção da nossa imaginação.

Não sabia disso?

Claro, não há nada inerentemente insidioso sobre emendas à Constituição. Na verdade, o próprio documento em si prevê o processo de alteração, mas com uma metodologia que preserva a nossa liberdade. Alterar a Constituição dos Estados Unidos exige uma votação de dois terços na Câmara e no Senado dos EUA, ou "na aplicação das legislaturas de dois terços dos diversos Estados." Depois Congresso trata disso, da questão em sua forma final, em seguida, vai para os estados para uma ratificação definitiva de três quartos dos votos, a fim de fazer da alteração a "lei da terra" e parte da nossa Constituição. Como o artigo V prevê que a ratificação pode ser feita "pelas legislaturas de três quartos dos diversos Estados ou pelas Convenções em três quartos das mesmas ...." Isso não tem qualquer semelhança significativa com o que The Constitution 2020 tem em mente.

Você notou?

Os Pais Fundadores sabiam o que estavam fazendo quando eles deixaram o presidente dos Estados Unidos oficialmente fora do processo de alteração. O movimento pode ter origem nos estados ou nas super-maiorias do congresso. Os legisladores mais próximos do povo definem a decisão final. "Nós, o Povo" novamente decidimos.

Encantadoramente americano. O presidente pode ter todas as canetas e todos os telefones que ele quiser (os últimos  é claro, já que estes não eram disponíveis no século 18, mas em qualquer século, a Constituição faz dele um espectador). Deliciosamente apropriado para um presidente que se deleita em ignorar o Congresso à vontade. Isso supõe, no entanto, um Congresso com a coragem de atacar um executivo-chefe que deixa de honrar suas limitações constitucionais. (Infelizmente, no momento, isso é outra questão, muitas vezes descrita aqui e em outros lugares – Espera-se que um dia seja resolvida em nosso favor, porque em breve poderemos perder essa opção)

O ponto importante é que há uma rota constitucionalmente aprovada para fazer mudanças em nosso documento de governo, e ela vai direto para o povo de uma forma ordenada e democrática.

Curto-circuito ao "Nós o Povo"

Esse método democrático  é "difícil de detectar" em "The Constitution 2020," uma trama que é apoiada por intelectuais de esquerda de todos os matizes. Eles planejam uma convenção para reescrever esse documento em um manifesto de fato que seja "mais progressista". Com poucas exceções, essa formulação serve como linguagem de código para "socialista".

Eles vão usar a terminologia "emenda". Mas de acordo com avisos escritos anos atrás por dois juízes da Suprema Corte - Arthur Goldberg (nomeado por Kennedy) e Warren Berger (nomeado por Nixon) - uma vez que uma nova convenção constitucional seja convocada e em esteja andamento, será tarde demais para "Nós o Povo"para deter a agenda. O Pai da nossa Constituição e nosso quarto presidente, James Madison, se opôs ao método da convenção e de fato "tremeu" com a perspectiva de seu potencial para desvios maliciosos.

Tal como aconteceu com Madison em sua época, constitucionalistas do século 21 estão preocupados – e não sem razão – que uma vez que tal reunião esteja em andamento, não há como nossas leis estaduais ou qualquer outro grupo externo possa controlar até onde os delegados irão.

Oh, mídia! Psst! Quer uma história quente?

The Constitution 2020 tem um calendário identificado. Tudo isso deve ocorrer, como seu apelido sugere, "até 2020." Minha cópia do calendário é um lembrete de que com toda a probabilidade, esta convenção – terá lugar antes da eleição presidencial no final daquele ano.

O que significa que qualquer que seja o presidente eleito dos Estados Unidos em 2016 estará na Casa Branca quando este insolente golpe mortal a estes Estados Unidos poderá estar ocorrendo ou se tornando um fato consumado.

E vosso ponto é ...

O fato de que o papel constitucional do presidente neste processo seja, essencialmente, de ficar fora do caminho é um reflexo da suspeita dos Fundadores em relação ao governo de um homem só.

Outros ramos do governo são constituídos por um número de indivíduos ou grupos ou autoridades, alguns com os seus próprios feudos e, pelo menos no papel mais provável (embora nem sempre) para desafiar um excesso do chefe de Estado. A presidência, por outro lado, é um show de um homem só, com os outros no ramo executivo teoricamente sob seu domínio. Os Fundadores anteciparam que, em algum momento, um presidente poderia muito bem sucumbir à tentação de "tomar o poder".

No entanto, embora o Sr. Obama não tem nenhuma entrada oficial sobre emendas constitucionais, isso não o impede ou a seus acólitos de exercer máximo de influência "fora dos livros". Os manda-chuvas do esquema de 2020 incluíram os likes de Cass Sunstein e Eric Holder. Qualquer um que pense que seja mera coincidência que eles representam a influência de Obama é um candidato aos sonhos da fada madrinha, dada a propensão de Obama para "espalhar a sua influência não autorizada" em outras esferas.

Publicidade?

Ummm. Desculpe-me, mas por que não ouvimos qualquer conversa sobre isso em qualquer dos debates, democratas ou republicanos? (Eu os assisto, mas talvez eu estivesse fora da sala quando isso surgiu, embora eu não pense assim.) Mesmo os convidados dos talk-show não fazem um grande alarde disso. Talvez eles já tenham discutido isso, mas não os ouvi falarem sobre isso, e eu cuido de ouvir alguns deles com bastante freqüência. No entanto, eles não são o problema básico, e eles geralmente fazem um bom trabalho. Então, quem é supostamente responsável por manter-nos informados?

A quem interessa manter essa calma até depois da eleição? Não há interesse entre os principais meios de comunicação? Nenhum? Apenas "mais um dia no cargo?" Sério?

Originado como? ou onde?

Não houve provavelmente convites para uma reunião a portas fechadas, onde foi tomada a decisão de esgueirar esta ideia horrível por sob nossos narizes. Seria provavelmente  muito mais sutil do que isso. Sem "impressões digitais".

No entanto, supõe-se que haveria grandes afazeres públicos sobre a coisa toda se os eleitores soubessem que, no âmbito da pessoa que está prestes a eleger presidente dos Estados Unidos, um movimento destinado a trazer consequências negativas para as suas vidas estará funcionando completo com um prazo antes do final do mandato presidencial 2016-2020. Atualmente, isso tem todas as marcas de um esforço para fazer com que o próprio documento que estabeleceu um padrão único de uma vida livre e livre arbítrio para o seu povo vai desaparecer diante dos nossos olhos.

The Constitution 2020

O movimento é ricamente financiada por George Soros, que tem apoiado a ala esquerda nos EUA e que muitas vezes expressou abertamente o desejo de mudar a América para o que ele vê como um paraíso socialista.

Por que a mídia não está nos dizendo tudo isso? "Não é notícia?”

Houve algumas menções no The Wall Street Journal, algumas outras mídias impressas, e em alguns sites, incluindo este (ver esta coluna, "Nossa crise seguinte: A morte formal completa da Constituição – Tem alguém se armando intelectualmente para isso? ", 19 de dezembro de 2013)

Ok, vamos colocar desta forma: Vamos supor que The Constitution 2020 fosse financiado – oh, pelo Tea Party ou pelos Irmãos Koch. Você entendeu. Vocês não acham que a grande mídia estaria soando sinais de alarme para que todo homem, mulher e criança soubesse disso? E exatamente o que há na Constituição que os adeptos do The Constitution 2.020 acham tão ofensivo? Mais uma vez, Mais Tarde.

Shhhhhh! Mantenha isso em segredo. Nenhum ruído que possa despertar os animais antes da eleição.

© Wes Vernon

Tradução: William Uchoa