A AGENDA MARXISTA POR TRÁS DO ARCO-IRIS (TRADUZIDO)
 

 

A AGENDA MARXISTA POR TRÁS DO ARCO-ÍRIS

Douh hagman


30 de junho de 2015

 

Se você acha que a decisão de sexta-feira da Suprema Corte era sobre igualdade ou direitos iguais para os três por cento da população americana (às custas dos 97 por cento), você não poderia estar mais errado. Se você acha que a decisão de sexta-feira não tem impacto sobre você, porque você não se importa com o que as pessoas fazem na privacidade de suas camas, você não poderia estar mais errado. Se você acha que a agenda homossexual é sobre tolerância, diversidade ou outros chavões de marketing, você não está apenas errado, mas extremamente mal informado, equivocado ou você está facilitando propositadamente uma mentira.

A América tem um enorme problema no momento. Múltiplos problemas, de fato, mas como as vítimas de um acidente de trem, temos de fazer uma triagem para que possamos aplicar o tratamento em ordem de importância. O traumatismo infligido à América por cinco membros desonestos do nosso sistema judiciário, redefinindo o casamento como resultado de uma cabala altamente potente de ativistas com a intenção de destruição da América, certamente eleva este problema à lista em importância.

A fim de saber como corrigir o problema, no entanto, você tem que conhecer o máximo possível sobre o problema. Você precisa de informações precisas, não a distorção de algum político moralmente falido ou a distorção das cabeças falantes da tal agenda que confinam o seu discurso à narrativa cativa do paradigma político direita-esquerda arcaico e completamente fictício.

A próxima eleição federal não vai resolver os nossos problemas, pois os nossos problemas são tão ameaçadores para a nossa vida e liberdade, que precisamos de tempo. Como já sugeri, aqueles que se deleitam com o arco-íris da diversidade e cujos peitos incham de orgulho com a luminosa exibição na sede do poder americano se encaixam em um dos dois grupos: os ignorantes, mal orientados, que sofreram lavagem cerebral e/ou espiritual, moral e egoisticamente decadentes (crédulos ou seja involuntários), ou os facilitadores de uma das maiores mentiras já perpetrada em nossa nação.

O que temos assistido não é o início de tolerância e diversidade, mas a sua morte sem cerimônia através da realização de um passo gigante no desmantelamento orquestrado de nosso país que é parte de um plano muito maior. É uma etapa crítica e de vital importância para a formação de uma "nova ordem mundial" que nenhum jornalista "digno" ou entrevistador sindicalizado jamais vai reconhecer que existe.

Destruição do tecido moral da América

A destruição do tecido moral da América foi colocada em movimento gerações atrás, não sob uma bandeira do arco-íris, mas uma bandeira comunista. Quem melhor para desferir esta ferida mortal à nossa nação do que o Messias marxista da Manchúria [*] de origem misteriosa e duvidosa e sua quadrilha de cúmplices renegados? O que vemos acontecendo hoje poderia não ter sido completamente evitado, mas poderia ter sido retardado se aqueles que detinham a atenção dos cristãos conservadores tivessem pressionado a questão legítima da elegibilidade e fidelidade de Barack Hussein Obama como um candidato ao cargo mais alto na América . Infelizmente, não era para ser, pois os mais reverenciados pela direita conservadora, obedientemente, repetiram a mentira de que o fundo, origem e elegibilidade constitucional de Barack Hussein Obama, ou Barry Soetoro, talvez, não fosse nada mais do que diversinonismo. Acima do barulho das suas objeções vocais, ou em alguns casos, garantias e mais mentiras, aqueles de nós em busca da verdade não adulterada podem ouvir o som inconfundivelmente doentio dos últimos suspiros da agonia de nossas liberdades e direitos quando sua morte traumática se aproximar. No entanto, aqueles que nos combateram então, continuam a nos ignorar hoje. Eles aderem a uma narrativa coreografada que se encaixa dentro do script da grande mentira, e que é tão astutamente estreita, pois, é factualmente rasa. Pois isso, ao que parece, requer menos aptidão intelectual do americano deslumbrado do que os primeiros passos que uma recuperação completa necessária exigiria. Enquanto isso, os americanos são servidos com sua porção diária da grande mentira -, neste caso, vendida sob o pretexto da diversidade e da tolerância e ilustrada pelo tolo mantra "o amor vence." O amor, bem como a igualdade de direitos, não tem absolutamente nada a ver com a agenda maior de dilacerar o tecido moral da América. A redefinição do casamento e da família tradicional é um pilar bem documentado da tomada comunista da América, uma tática para destruir nossa república constitucional, e um requisito de admissão para introduzir em um sistema de governo global.

A agenda homossexual está enraizada no comunismo

A agenda homossexual ativista na América tem suas raízes no comunismo. Em 10 de Janeiro de 1963, o Representante AS Herlong, Jr. da Flórida leu 45 objetivos do comunismo na América no Congressional Record. Listada em # 26 era "apresentar a homossexualidade, degeneração, e promiscuidade como normal, natural e saudável." O que fora considerado um comportamento abominável e um pecado por todas as principais religiões do mundo apenas meio século atrás não só é aceito e ostensivamente "legitimado " hoje, mas está sendo abertamente celebrado na Casa Branca e governos estaduais em toda a América. Porque é que praticamente ninguém pergunta como aproximadamente três (3) por cento da nossa população, aparentemente, conseguiu mudar a paisagem moral e legal para 97 por cento? Como essa mudança aconteceu tão rapidamente? Isso quase espelha a ascensão meteórica de Barack Hussein Obama de um virtual desconhecido para um Presidente com aparência legal. As respostas existem na história. A promoção da pesquisa fraudulenta de Alfred Kinsey, os esforços altamente organizados e bem financiados do marxista Harry Hays, fundador da Sociedade Mattachine em 1950, o uso efetivo de Hollywood e Madison Avenue, para o refinamento da agenda homossexual pelos ativistas homossexuais Marshall Kirk e Hunter Madsen na década de 1980 - quando tornaram públicas suas táticas muito específicas em seu livro, After the Ball: How America Will Conquer Its Fear and Hatred of Gays in the 90s (Depois do Baile: Como a América vai vencer seu medo e ódio aos Gays nos anos 90), foram todos engrenagens no mecanismo maior concebido para destruir a moralidade da América. Quando você lê as opiniões divergentes dos juízes Thomas e Scalia na decisão da Suprema Corte da última sexta-feira, você vai ver algumas declarações muito assustadoras, incluindo deste juiz Clarence Thomas (Por favor, leia e considere-as no contexto acima):

"A decisão de hoje da Corte está em desacordo não só com a Constituição, mas com os princípios em que nossa nação foi construída. Desde bem antes de 1787, a liberdade tem sido entendida como a ação de governo livre, não ter direito às vantagens do governo. " "Além de minar os processos políticos que protegem nossa liberdade, a decisão da maioria ameaça a liberdade religiosa que nossa Nação tem há muito procurado proteger." "A nossa Constituição-como a Declaração de Independência antes dela - foi baseada em uma verdade simples: que a liberdade do indivíduo, para não mencionar a dignidade do indivíduo, era algo a ser protegida - não fornecida pelo Estado. A decisão de hoje põe aquela a verdade de lado. Em sua pressa para chegar a um resultado desejado, a maioria aplica erradamente uma cláusula focada no "devido processo" para dar direitos substantivos, ignora o entendimento mais plausível da "liberdade" protegido por essa cláusula, e distorce os princípios sobre os quais esta nação foi fundada . Sua decisão terá consequências incalculáveis para a nossa Constituição e nossa sociedade. "

O fim do começo

Muitas pessoas acreditam que esta decisão irá corrigir injustiças contra um (falsamente) significativo segmento da nossa população. Essas mesmas pessoas acreditam que esta decisão marca o fim de uma longa e árdua jornada pela igualdade de direitos. Eles estão errados, pois este é apenas o fim do começo. Os ativistas globais, os marxistas e comunistas que impulsionam essa agenda não se preocupam com direitos, apesar da embalagem bonita. Não há pote de ouro no final deste arco-íris. Tendo recebido poder pelo SCOTUS (Suprem Court of US), capacitadores e cúmplices no Executivo e os demais no poder, eles estão agora "com todas as cartas" para completar a destruição de nossa nação.

A agenda é do tamanho da mentira. Impedindo qualquer intervenção imediata e desobediência civil unificada, o que se seguirá será exponencialmente pior para o que vai ser deixado de nossa nação. A menos que sejam tomadas imediatamente medidas, o golpe mortal que foi dado ao nosso país na semana passada vai tornar-se fatal. É imperativo que nós entendamos a profundidade, a inspiração e o alcance da mentira e da agenda globalista, comunista por trás disso. É importante que identifiquemos os agentes da destruição. Eles, e sua agenda, devem ser totalmente expostos. De outra forma, a agonia de nossas liberdades e dos direitos que (ainda) desfrutamos sob nossa república constitucional acabará. Não por causa de sua recuperação, todavia, mas devido à sua morte.

Reze. Prepare-se.

[*] Referência a "Manchurian President": Barack Obamas Ties to Communists, Socialists and other Anti-American Extremists", de Aaron Klein & Brenda J. Elliott, WND Books.

Tradução: cortesia de William Uchoa