O AGITADOR

 

O Agitador



Carlos I.S. Azambuja  


em 08 de dezembro de 2005

Resumo:Saiba como atua o membro de um dos principais departamentos dos partidos comunistas: o de Agitação e Propaganda, cuja função é levantar as massas aproveitando qualquer acontecimento mais ou menos significativo.

© 2005 MidiaSemMascara.org


Esta é uma pequena história fictícia. Todavia, continua ocorrendo, com freqüência, em diversos países. É a história de um agitador profissional. Um membro de um dos principais departamentos dos partidos comunistas: o de Agitação e Propaganda, mais conhecido como “Agit-Prop”. Aquele cuja função é a de levantar as massas aproveitando qualquer acontecimento mais ou menos significativo.


O acontecimento que iremos narrar teve origem na morte acidental de um estudante. Seu sepultamento foi motivo para o discurso emocionado do Agitador.


Joaquim Alves da Silva foi um menino como tantos outros. Aos 17 anos foi acometido de uma miopia incipiente e passou a usar óculos. Entrou para a Universidade e passou a estudar Direito. Foi um estudante vulgar, sem brilho. Tímido e míope, não participava, e até o assustavam, as escaramuças estudantis comuns em todas as escolas.


Eles, os estudantes, seus companheiros, andavam divididos em dois, e às vezes três grupos, três ideologias raivosas, excludentes, como são as crenças da juventude. Seus pais, inclusive, sempre pediram a Joaquim que não se metesse em política.


Todavia, em uma manhã de dezembro, época de exames, Joaquim se viu envolvido em uma manifestação. Até se contagiou. Saudou e cantou como os demais. Foi quando começaram os insultos, as brigas, as pauladas e as pedradas.


Nesse ínterim, Joaquim já havia perdido os óculos e os livros e, despenteado e sujo, perdido também sua habitual compostura. Porém, foi identificado por seu carnê estudantil. Havia recebido um tiro e o projétil se alojou em sua cabeça, o que causou sua morte imediata. A bala era muito pequena, calibre 6,35, dessas armas que podem ser levadas no bolso. Mãos anônimas a haviam disparado.


Ao final do sepultamento, tomou a palavra o Agitador a que nos referimos no início desta matéria e de imediato iniciou sua arenga:


- Camaradas! Camaradas, operários e estudantes! Agora que já foram embora os lobos da política, os lamentos dos sentimentalistas, os agiotas das águas revoltas, deixai-me purificar este lugar com palavras revolucionárias! Deixai-me que fale para vós como se fosse um de vós! Camaradas estudantes! Não deixeis que os hipócritas vos arrebatem o cadáver ainda quente e generoso de Joaquim Alves da Silva! Ele é somente vosso e, por isso, não deixeis que o exumem com falsas preces e súplicas, nem que o convertam em objeto de beatas e exemplo de falsas virtudes! Porque eu e todos vocês sabemos que Joaquim morreu com a canção da Internacional nos lábios! E que morreu assassinado pela negra besta da repressão, a negra besta que quer afogar em sangue o clamor unânime dos povos pela liberdade, pelo pão de cada dia e pela justiça social! Joaquim foi morto, assassinado por uma arma! E nós não portamos armas! Nós só temos nosso grito de protesto!


Se os escutarmos, eles que detêm o poder, a polícia, os órgãos de repressão, as leis e os seus representantes se fizermos caso de suas lágrimas de crocodilo, se pensaria que são eles os perseguidos, os que necessitam de urgente ajuda. Que teríamos que dizer, então, nós, os espancados, os clandestinos, os perseguidos, se usássemos a mesma linguagem? Porém, camaradas, eu não vou utilizar a sua linguagem. Eu não lamento o assassinato covarde de Joaquim. Eu aceito a morte, o sacrifício e o martírio pelo triunfo da causa e peço-vos que a aceites da mesma forma. A morte dos mártires é a melhor das sementes. Seu sangue purifica e fortalece os corações. Os pusilâmines, os acomodados, que fiquem em casa...


Camaradas, operários e estudantes! Sinto orgulho de estar entre vós, falando-vos com as palavras mais sinceras que brotam em meu coração. À juventude só se pode falar com o coração na mão, porque aqueles que falam aos seus bolsos, às suas conveniências, estão condenados ao fracasso. Eu disse operários e estudantes, porque a este ato, tão sumamente ligado aos gloriosos universitários, observo que se somaram as hostes do trabalho, em uma irmandade espiritual que é o melhor sinal de nossa política e de nosso futuro. Os operários estão aqui para dizer aos camaradas estudantes que eles, seus filhos, suas necessidades, não são uma generalização, um tópico a mais, e sim uma tremenda realidade. Os operários estão aqui para que os estudantes se sintam acompanhados, para saber, também, que não são somente palavras ocas as que podem escutar, e sim ações. E para os estudantes, a presença de seus camaradas operários significa a universidade das esquinas, a universidade do trabalho, a universidade da vida, onde tudo se aprende aos tropeços. E estão juntos, para que quando saibamos irmanar o estudo e o trabalho, a cabeça e a mão, o livro e a ferramenta, tenhamos conseguido a mais estupenda das vitórias!


Camaradas! Quando disserem que Joaquim morreu assassinado, dizei que sim, que é certo. Digam, porém, que foi morto por aqueles que negam, em nome de seus privilégios, a liberdade dos oprimidos. Ultrapassadas tradições fazem com que a burguesia sustente o direito de despedir trabalhadores que não lambem seus sapatos. Ultrapassadas tradições, sim e ordem, e paz e tranqüilidade a submissão completa a entrega do corpo e da alma. E se o povo vai à missa, chamam devoção, se se diverte, festejo popular, porém, se reclama mais pão, mais cultura, mais liberdade, então é o populacho, a chusma soez e perigosa. Vós, estudantes, sabeis bem tudo isso, porque o aprendido pelos párias à custa de suor e esgotamento, consta nesses livros que estudais, que vos falam de leis injustas, que vos falam de um pensamento sem fronteiras e vos ensinam a pensar, generosos e livres, pois vosso pensamento não está ainda manchado com a baba das renúncias.


O povo, camaradas estudantes, não quer damas da Ação Católica repartindo camisetas, casaquinhos e bolsas de auxílio pelos subúrbios. O povo quer acesso à cultura. Quer o poder para a imensa maioria. Quer a justiça para todos! A democracia avança a passos largos. O governo do povo não tardará a substituir as velhas oligarquias, os monstruosos privilégios da burguesia atroz e egoísta! E o povo sois vós, estudantes!


Quando se comete uma injustiça, quando se perpetra um abuso, o povo diz: “Vereis como os estudantes irão protestar”. E é certo. Os estudantes vão às ruas e fazem causa comum com os oprimidos. É o povo que necessita de vós, camaradas! Quer cabeças para a força de seus braços. Quer escutar essas razões que pressente mas que não sabe expressar. Não! Não é certo! Eu me corrijo! Sabe expressar perfeitamente, nas barricadas, nas fábricas, nos cárceres, com as razões esmagadas em suas bocas e seus membros espancados pelos esbirros da reação!


Porém o povo quer mais. Quer deixar o papel passivo durante tantos anos representado e assumir o papel ativo que lhe corresponde. Quer acabar com tanta obscuridade e confusão que o envolve. Quer acabar com os assassinatos impunes em nome da Pátria e do bem comum. Joaquim Alves da Silva, assassinado impunemente! Onde está seu matador? Onde, dizei-me? Onde está a pistola do homicida? Nas ruas desta cidade, um de vós poderia ter sido alvo desse homicida. E que fazia Joaquim Alves da Silva? Estava na rua, cantando, protestando contra a obscuridade. Agora querem dizer que era um menino, um menino inocente. Mentira! Joaquim Alves da Silva era um homem, porque homens são os que sabem sofrer e morrer por idéias, não importa a idade que se tenha, porque o importante é a idade da inconformidade, a idade de dizer Basta! Basta aos tabus, às mentiras douradas, aos sepulcros caiados!


Na aurora vermelha, na aurora de liberdade que já se anuncia, quando o povo se libere de suas cadeias, as aulas estarão abertas a todas as inteligências. As reivindicações do povo não poderão ser nunca esmagadas, porque serão como um rio transbordando. E para esse dia, camaradas estudantes, estamos trabalhando. Sobre a lápide que os assassinos levantaram a Joaquim Alves da Silva, eu vos peço, camaradas estudantes, que não esqueceis sua morte, que recordeis como a inteligência pode ser apagada a pauladas e a tiros, porém nunca apagada sua chama quando os ideais são compartilhados. E vos peço, camaradas estudantes, que deis vossas mãos aos duros trabalhadores que estão ao vosso lado, aos eternos párias, para que, assim, saibais que vosso sacrifício não é vão, que é compreendido por eles. E peço mais...


Nesse momento, o agitador interrompe sua fala. Ao longe zumbe uma sirene e mais perto assumem uns grupos que certamente não têm a intenção de escutar seu discurso. Após um momento de vacilação, o orador saltou de cima da tumba em que falava e se fundiu à massa que o rodeava. E a massa uivou, cantou e se preparou para um novo tumulto...



Texto extraído e adaptado do livro “El Agitador”, de Tomas Salvador, Editorial Bruguera, Barcelona, Espanha, 1970.