ENFRAQUECIMENTO DA UNIÃO EUROPEIA
 

 


UNIÃO EUROPEIA APROFUNDA SUA CRISE COM ATAQUES À HUNGRIA E À POLÔNIA

L. Todd Wood

WASHINGTON TIMES

18/05/2017

O Parlamento Europeu condenou a Hungria por questões de direitos humanos e a ruptura do Estado de direito. Bruxelas está agora ameaçando uma guerra financeira total contra a Hungria e a Polónia, entre outros, por alegados abusos dos direitos humanos e políticas e acções anti-democráticas. Mas com os governos conservadores insistindo no seu direito soberano de proteger as suas fronteiras e preservar as suas identidades nacionais, a Europa ruma para uma uma crise existencial da qual pode não se recuperar na sua forma atual.

A questão principal é a aceitação forçada de centenas de milhares de migrantes islâmicos nesses países cristãos. Atualmente, os refugiados têm sido bem recebidos em alguns países da Europa Ocidental, o que levou a agitação social extrema. Líderes no Ocidente estão ansiosos para encontrar uma válvula de segurança, e a Europa Oriental parece uma boa solução. A Europa Ocidental já desistiu de qualquer defesa da sua cultura e da sua própria herança. Os globalistas na liderança da UE querem que outros sofram seu destino - juntamente com a violência, a discriminação sexual, o crime e o terror que acompanham essas políticas.

Bruxelas também está chateada com as medidas instituídas por Budapeste e Varsóvia que a UE considera antidemocráticas e opressivas. Estas incluem: restrições aos meios de comunicação, uma lei contra uma universidade mantida por George Soros na Hungria, e colocar funcionários governamentais em posições-chave para promover as políticas do partido do governo.

As ameaças da UE poderiam significar pesadas sanções financeiras. "Apelo à Polónia e à Hungria, que não alocaram uma única pessoa, para começar a fazê-lo neste momento", afirmou Dimitris Avramopoulos, Comissário Europeu para as Migrações. "Se nenhuma ação for tomada por eles antes do próximo relatório em junho, a Comissão não hesitará em fazer uso de seus poderes sob os tratados e abrir procedimentos de infração".

A luta pela Universidade da Europa Central em Budapeste, que Soros financia, mostra a divisão em detalhes.

O governo do primeiro-ministro Viktor Orbán vê a influência de Soros como corrosiva e destrutiva da herança cultural Cristã da Hungria. Ele vê a escola como um veículo para impulsionar políticas de fronteiras abertas e um modo de vida secular, que essencialmente obliterou a Europa Ocidental como costumávamos conhecê-la, e diz que seu governo está no seu direito de regular as instituições financiadas pelo exterior.

Tradução: Heitor De Paola