EQUADOR PERDE UM GRANDE ESTADISTA
 

 


Ecuador loses a great statesman



AmericasForum.com



Thu, 11/17/2011




On November 15, 2011, Ecuadorian statesman Edgar Teran passed away at age 72 due to complications surgery. Teran had served as Minister of Foreign Affairs in the 1980s and as Ecuador’s ambassador to Washington, D.C. in the mid 1990s. Teran was also a negotiator for the accord with Peru over its disputed border with Ecuador, which brought peace between the two countries after decades of conflict.
In recent years, Teran acted to strengthen Ecuador’s anti-corruption applications to further free speech and open media, freedom of religion, an independent judiciary and government accountability, which had been regressing in recent years amidst Ecuadors tumultuous politics.
Teran worked tirelessly for a better Ecuador, always sought to strengthen ties between the United States and his home country, and was an indefatigable fighter for freedom. He is survived by his wife and two children, as well as two grandchildren.


NOTA DO EDITOR SITE: Por indicação de Maggie Petito convidei o Dr Terán para o Seminário Democracia, Liberdade e Império da Lei, por mim coordenado em São Paulo, Abril de 2006. Segue sua apresentação.


DEMOCRACIA, LIBERDADE E IMPÉRIO DA LEI


 


Edgar Terán Terán


Esta iniciativa da Atlas Economic Research Foundation, Associação Comercial de São Paulo, Diário do Comércio e MidiaSemMascara não pode ser mais  oportuna: falar sobre Liberdade, Democracia e Império da Lei, quando estes Valores enfrentam graves ameaças, especialmente na América Latina.


Foi a Revolução Americana e não a Francesa, que deu origem historicamente, à democracia na América Latina. E as diferentes evoluções ocorridas na história dos Estados Unidos e da Europa, ainda influem diretamente em nossos Países.


A Europa, depois da Segunda Guerra Mundial perdeu o interesse na América  Latina. Salvo certas influências ideológicas orientadas para o socialismo e pressões de grupos ecológicos, não existem relações profundas, nem mesmo com os países da costa Atlântica da América do Sul. Parece que a emigração, destinada a suprir trabalhos não desejados pelos europeus, foi o ingrediente mais profundo de nossa relação com a Europa.



Os Estados Unidos, por sua parte, enfrentam, além de um desconhecimento atual dos problemas da região latino-americana, um avanço real dos valores antiamericanos, promovido por estratégias e táticas deliberadas, e com o verdadeiro propósito de implantar el neocomunismo na região.


 


Desde satanizar a descoberta da América e usar politicamente as minorias étnicas, até se aproveitar do sistema democrático para ganhar eleições e logo dar golpes de estado a partir do poder, tudo está programado e marcha em direção ao controle dos hidrocarbonetos e minerais, o que alteraria profundamente o mercado energético no hemisfério e no mundo.


 


Quase ninguém, até hoje ao menos, enfatiza que a liberdade, a justiça e a paz são valores universais, de uma categoria superior até mesmo aos direitos humanos. Quase ninguém defende que o império da lei é a única garantia da dignidade humana dentro do Estado. E poucos reivindicam a democracia autêntica, a da divisão dos poderes, do estado de direito, da globalização da informação, da economia, da cultura e do direito.


 


Por isso esta é uma ocasião excepcional para o resgate de nossos valores e de nossa região. 


Edar Terán Terán Doutor em Direito pela Universidade Central de Quito, Bacharel pela Academia Militar do Equador, foi Ministro das Relações Exteriores da República do Equador, Presidente do Instituto de Comércio Exterior, Secretário  Geral de Administração Pública, Conselheiro Legal do Presidente da República, Embaixador nos Estados Unidos, Negociador Chefe  da Delegação Equatoriana dos problemas de fronteira com o Peru. É Presidente da ONG “Hacia la Seguridad – Imperio de la Ley”, Quito.


Tradução: Heitor De Paola